domingo, 17 de fevereiro de 2013

De poesia





"Poesia serve exatamente para a mesma coisa que serve uma vaca no meio da calçada de uma agitada metrópole. Para alterar o curso do seu andar, para interromper um hábito, para evitar repetições, para provocar um estranhamento, para alegrar o seu dia, para fazê-lo pensar, para resgatá-lo do inferno que é viver todo santo dia sem nenhum assombro, sem nenhum encantamento".

de Martha Medeiros, em Doidas e Santas

Um comentário:

O que eu sinto e penso disse...

Como é bom quebra a rotina pesada do dia-a-dia com algo inusitade e engraçado, ou apenas, com um por do sol, que mesmo diario, é sempre novo e acalma o coração.